Banrisul faz parceria com Vasco para e-banking

O Banrisul acaba de firmar uma parceria com a Vasco Data Security International, especializada em software de segurança corporativa e produtos de autenticação. Pelo acordo, os clientes do banco poderão acessar o Home e o Office Banking por meio da solução Digipass 905, que integra o autenticador Digipass com ferramenta de leitura de cartões.
Continue lendo “Banrisul faz parceria com Vasco para e-banking”

ClamAV é tema de palestras e sessão conectada no fisl10

O antivírus open source mais popular entre servidores Linux – o ClamAV – será tema de três atividades no Fórum Internacional Software Livre. O palestrante é Tomasz Kojm, líder do projeto ClamAV.

Na palestra “ClamAV basics, common usage and tips&tricks”, voltada para iniciantes, Kojm fará uma introdução do ClamAV aos participantes, que poderão conhecer as peculiaridades e os componentes para cada uso e configuração. Por meio de exemplos e dicas, será possível visualizar a utilização do vírus scanner na prática.

Continue lendo “ClamAV é tema de palestras e sessão conectada no fisl10”

Procempa finaliza suporte tecnológico para o Fórum Internacional Software Livre

Uma reunião no final da tarde da última quarta-feira, 17, finalizou o suporte tecnológico que será oferecido pela Procempa para o 10º Fórum Internacional Software Livre. O evento, que será realizado de 24 a 27 de junho no Centro de Eventos da PUC, vai contar também com atividades culturais descentralizadas.

Continue lendo “Procempa finaliza suporte tecnológico para o Fórum Internacional Software Livre”

Paulo Krieser

Dando continuidade a esta série de artigos sobre linguagens de programação e tecnologias, o intuito desta coluna é comparar estas duas tecnologias, trazendo também maiores explicações sobre Ruby. Para maiores informações sobre PHP, acessar minha coluna Escolhendo a Linguagem: Java vs PHP.

Ruby é uma linguagem free e open source, com foco na simplicidade e na produtividade, totalmente orientada a objetos.

A primeira grande diferença entre as duas linguagens é que em Ruby tudo é objeto, enquanto o PHP possui uma série de métodos nativos e sua orientação a objetos foi desenvolvida posteriormente. Porém, as duas linguagens permitem programação procedural e scripts.

O grande atrativo do Ruby, como a própria proposta da tecnologia diz, é a grande velocidade de desenvolvimento. Normalmente, para o desenvolvimento de uma mesma funcionalidade, o Ruby precisa de menos linhas de código do que o PHP, além do código ficar mais legível.

Uma desvantagem do Ruby é a hospedagem, para aplicações que vão rodar em servidores compartilhados. Normalmente as empresas de hospedagem não apresentam um servidor Ruby como padrão no plano de hospedagem, e sim um Apache para rodar PHP. Acredito que isto ocorra porque o Ruby é bem mais novo do que o PHP. Apesar disto, o Ruby possui um plugin para ser rodado no Apache, além de possuir um servidor próprio, o Mongreo. Outra característica interessante do Ruby é que utilizando o JRuby suas aplicações podem rodar na Java Virtual Machine.

No quesito manutenabilidade, utilizando Ruby teremos um código mais legível e de mais fácil manutenção, por sua orientação a objetos. Utilizando o Rails (Ruby on Rails, framework da linguagem) este quesito ainda melhora e continua ganhando do PHP, mesmo utilizando um framework PHP como o Smarty ou PHP2Go. Porém, é possível escrever código script no Ruby, o que pode complicar sua manutenção futura.

O fator escalabilidade é o de mais difícil comparação, sendo que não consigo trazer uma informação muito precisa. O que tenho visto é que este item tem gerado longos debates e que especula-se que o Ruby apresenta maiores dificuldades para suas aplicações serem escaláveis do que o PHP. As notas no gráfico portanto serão apenas aproximações empíricas.

Apesar das duas linguagens terem mais ou menos o mesmo tempo de mercado, o Ruby acabou despontando depois, apresentando menos material disponível na internet. Uma rápida busca simples no Google pela palavra Ruby retorna cerca de 100 milhões de páginas, enquanto PHP retorna 9 bilhões. Esta não é uma étrica exata, mas pode dar uma idéia do material disponível. De acordo com desenvolvedores internos aqui da Krieser que conhecem as duas tecnologias, o PHP é um pouco mais fácil de se aprender e se sair programando do que o Ruby, que necessita o aprendizado de sua estrutura de objetos.

As duas linguagens são free e open source, porém é mais difícil se encontrar planos de hospedagem para Ruby, além de ser mais difícil de se encontrar desenvolvedores fluentes na linguagem. Assim, constatamos que o TCO do Ruby é um pouco maior do que o do PHP (a nota para este quesito é menor, portanto).

No último fator, portabilidade, o Ruby por si só pode ser utilizado no Mac, Linux e Windows. Além disto, o JRuby, que é um interpretador que gera bytecodes a partir de código Ruby, permite as aplicações rodarem em uma JVM, o que faz com que praticamente o Ruby "absorva" a portabilidade inerente do Java.

Assim, o PHP é uma linguagem mais amadurecida no mercado, com rápida velocidade de aprendizado, enquanto o Ruby é uma linguagem que está ganhando espaço em função da sua simplicidade, portabilidade e produtividade. 

* Agradeço ao funcionário da Krieser Alberto de Paola pela ajuda na elaboração do texto.

Continue lendo “Paulo Krieser”

Kernel será tema de sessão conectada

Em seus próprios laptops, participantes vão colocar em prática os conceitos apresentados durante a palestra

Ter a oportunidade de aprender fazendo, em seu próprio computador. Este é o objetivo das sessões conectadas, que serão realizadas pela primeira vez no Fórum Internacional Software Livre – fisl.

Continue lendo “Kernel será tema de sessão conectada”

Governadora Yeda recebe convite do fisl10

A comissão organizadora do 10º Fórum Internacional Software Livre – fisl10 entrega amanhã, dia 18 de junho, para governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius, o convite para a décima edição do Fórum. A audiência com a governadora ocorre às 15h, no Palácio Piratini.

O fisl10, que já possui cerca de 6 mil participantes inscritos, ocorre de 24 a 27 de junho, no Centro de Eventos da PUCRS, em Porto Alegre.

Fonte: fisl10
[ad#small-square]