Celular do Google é apresentado pela T-Mobile

O novo G1, com software Android, do Google / Foto: Reuters

RIO – A T-Mobile apresentou nesta terça-feira o primeiro celular que usa o sistema operacional Android, do Google. O aparelho, que já foi chamado de Dream e Googlephone, foi oficialmente batizado de G1. O aparelho custará US$ 179 nos EUA, com um contrato de dois anos. O valor é o mesmo que a AT&T cobra pelo iPhone 3G, também mediante um prazo de fidelidade. Segundo o site Gizmodo, o pacote de internet e torpedos ilimitados custará US$ 35, além do plano de voz.

Leia também: Site inglês compara celulares G1, do Google, e iPhone 3G, da Apple

Entre os recursos já confirmados do aparelho estão o Google Maps Street View, que terá uma função chamada “compass”, que mostrará a localização no mapa em tempo real, enquanto o usuário caminha pela rua. O telefone, fabricado pela HTC, usará um navegador baseado na tecnologia do Chrome e terá integração com o com o Gmail, Gtalk, Google Docs e YouTube.

O aparelho tem também um acelerômetro, como o iPhone, que permitirá que a imagem na tela gire junto com o aparelho. O primeiro aplicativo escrito para o G1 fazia com que quando o telefone fosse jogado para o alto ele calculasse o tempo de queda, graças ao acelerômetro.

O novo G1, com software Android, do Google / Foto :Reuters

O G1 traz tela sensível ao toque de 3 polegadas, botões especiais para navegação pela internet, teclado deslizante completo, câmera com 3,1 megapixel, cartão MicroSD de 1GB pré-instalado (suporta até 8GB), 3G e wi-fi. A bateria suporta cinco horas de conversação ou 130 horas em standby. O aparelho vem nas cores branco, preto ou marrom e pesa 0,14 kg.

Não há suporte para o Microsoft Exchange e nem para o iTunes, mas músicas sem DRM podem ser transferidas para o aparelho. A loja de mp3 da Amazon virá pré-instalada.

Android, de código aberto, deve aparecer em outros aparelhos

O Android é baseado no sistema operacional Linux, ou seja, usa código livre, o que permite a programadores desenvolverem, por conta própria, novos aplicativos. Isso significa também que, apesar do aparelho da HTC ser o primeiro a contar com o Android, ele deve ser seguido por diversos outros, de empresas diferentes. E nem faria sentido não ser assim, uma vez que o maior objetivo do Google com esse lançamento é aumentar o acesso à internet móvel, e seus lucros com publicidade alavancados pela sua ferramenta de buscas.

– Se a internet estiver amplamente disponível, será bom para nós – disse o co-fundador do Google, Sergey Brin, segundo a CNet News.

Se a internet estiver amplamente disponível, será bom para nós


Rumores já indicam que o Android pode vir a ser modificado para funcionar em outras plataformas, além dos telefones celulares, como automóveis ou tocadores de mp3.

Para a Google, o Android será mais uma ferramenta para vender anúncios. A receita das empresas com propagandas em ferramentas de busca por celular devem saltar dos atuais US$ 243,7 milhões para US$ 3,8 bilhões em 2012, prevê a firma de pesquisas americana EMarketer Inc.

Os celulares equipados com o sistema Android, do Google, terão a sua própria “lojinha de aplicativos”, semelhante à App Store, do iPhone. O sistema de distribuição que ajudará usuários a encontrar, comprar, baixar e instalar vários tipos de conteúdo se chamará “Android Market”.

Desenvolvedores independentes poderão ter seus aplicativos disponíveis no serviço criado pelo Google, que terá um sistema de avaliação pelos usuários semelhante ao do YouTube.

Fonte: O Globo Online

Publicado por Marcus Vinícius

Consultor e Desenvolvedor WEB/VOIP, atua em projetos pela Innovus desde 2003, focado no desenvolvimento de soluções de telefonia IP utilizando o software Asterisk. Contribuidor ativo dos portais VoIPCenter, AsteriskOnline e AsteriskBrasil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.