Governo prepara lançamento oficial do programa Banda Larga para Todos

Foto: Arquivo O Globo

RIO – O governo federal pode oficializar no dia 15 de abril o lançamento oficial do programa de inclusão digital brasileiro. De acordo com reportagem publicada nesta sexta-feira no jornal O Globo (clique aqui e leia a íntegra, acesso exclusivo para assinantes), o programa Banda Larga para Todos, que vem sendo desenvolvido a partir de parcerias entre governo federal, estaduais e iniciativa privada desde 2007 (Governo fecha acordo para levar banda larga a todos os municípios do país) , visa a ampliar o acesso às novas tecnologias e reduzir as disparidades regionais.

Segundo a publicação, a data de anúncio dos detalhes do programa de democratização de acesso à internet em alta velocidade foi escolhida para coincidir com o anúncio da política industrial. Depois do programa Computador para Todos, em andamento há pouco mais de dois anos (Clique e leia opinião de especialistas sobre o programa de acesso a micros), o governo espera democratizar o acesso à internet com meta de, até 2010, chegar a 24 milhões de lares (o dobro do atual) e 100% das escolas públicas equipadas com microcomputadores. Todas estas escolas, no mesmo período, seriam conectadas à internet em alta velocidade, bem como 13,615 milhões de domicílios, 25% do total no país.

Atualmente, os computadores são uma realidade para apenas 22% das 54,6 milhões de residências no Brasil – sendo Sudeste (29,2%) e Nordeste (9,7%) os extremos. O acesso à internet está em 16,9% das casas, número que cai a 13% quando a tecnologia é banda larga, presente em só 1,9 mil dos 5,1 mil municípios brasileiros. Nas escolas, 91,6% das particulares têm um PC, mas apenas 51,1% das públicas, afirmou O Globo.

Para o diretor de tecnologia e projetos do Instituto de Pesquisas e Projetos Sociais e Tecnológicos (Ipso), Carlos Seabra, é preciso ainda investir pesadamente em “estradas virtuais”, as chamadas infovias. O principal desafio, diz, é gerar incentivos para investimento em cidades onde o interesse econômico, na prática, não existe. Nesse caso, os municípios poderiam ser compensados com o aumento do número de telecentros (hoje são seis mil).

– O ideal seria multiplicar por pelo menos dez esse número. Não dá para imaginar que em uma comunidade pobre da periferia empresas de comunicação invistam em banda larga para todos. A solução seriam os telecentros. Se não tivermos acesso amplo à conexão de banda larga, dançaram a cidadania, a educação e a inclusão social.

Fonte: O Globo Online

Publicado por Marcus Vinícius

Consultor e Desenvolvedor WEB/VOIP, atua em projetos pela Innovus desde 2003, focado no desenvolvimento de soluções de telefonia IP utilizando o software Asterisk. Contribuidor ativo dos portais VoIPCenter, AsteriskOnline e AsteriskBrasil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.